14.4.11

Cartas de despedida

Essas, como esta, não sei porquê, nunca são ridículas.

Sem comentários: